sábado, 22 de dezembro de 2012

Sistema de Gestão Ambiental


Uma sociedade consciente e bem educada não gera lixo e sim materiais para reciclar. Selecionando o lixo, ajudamos a diminuir a poluição do ar, solo e água, bem como reduzimos a necessidade de novas áreas para aterros sanitários. Os recursos naturais vão ser poupados, pois o lixo separado vai ser reciclado e transformado pelas indústrias de matérias primas novamente, baixando assim os custos do produto final por nós consumidores.
Seguramente o Brasil é um dos países que apresenta as maiores contradições em todo o mundo,  temos uma boa parcela de nossa população formada por sociedades simples, movidas à madeira e carvão vegetal. Mas também temos uma parte de nossa população formada pelo que podemos denominar de sociedades industriais, nas quais a produção e o uso de energia e combustíveis tornam-se muito mais sofisticados, os opostos se fazem presente, reflexo das desigualdades sociais
Conhecendo os problemas ambientais, faz-se necessário conhecer e incentivar pesquisas e o uso de fontes alternativas, que não venham a contribuir com o aquecimento global de nosso planeta, contaminação do meio ambiente e/ou perda da qualidade de vida. 
É necessário promover mudanças para que no futuro não sejamos acusados de sermos os responsáveis pelos danos ambientais. Todos nós somos responsáveis.

“Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia”. 
William Edwards Deming



AMBIENTE é um conjunto de fatores que interagem influenciando na evolução da vida. Esses fatores são fatores físicos, químicos, biológicos e antropológicos.

Tudo isto quer dizer que, mudando um destes fatores, mexe-se no ambiente como um todo. Dessa maneira, quando se pensa em mexer com um dado fator, deve-se pensar também como repor o que foi retirado, ou alterado assim, tentando não prejudicar futuras gerações;


SUSTENTÁVEL é repor algo que foi extraído da terra devido ao seu uso, retirando do entorno da mesma. Um exemplo de ambiente sustentável é quando se realizam queimadas em um pequeno pedaço de terra e este pode repor seus nutrientes retirando do ambiente em sua volta;


POLUENTE é definido como sendo um alto nível de concentração de alguma substância inserida no meio e que venha a causar danos no mesmo;


RESÍDUO resulta de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis em face de melhor tecnologia disponível.




SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL – SGA

FUNDAMENTOS
Reconhecer que o SGA está entre as mais altas prioridades;

Estabelecer um diálogo com as partes interessadas internas ou externas;

Determinar as exigências legislativas e aspectos ambientais associados às atividades, produtos e serviços da organização;

Desenvolver o compromisso da administração e dos funcionários para com a proteção do meio ambiente, e a designação clara das responsabilidades;

Encorajar o planejamento ambiental durante todo o ciclo de vida de produtos ou processos;

Estabelecer um processo de gestão ambiental disciplinado para alcançar os níveis de desempenho desejado;

Fornecer recursos apropriados e suficientes;

Avaliar o desempenho ambiental em relação a políticas apropriadas;

Estabelecer um processo de gestão para revisão e auditoria do SGA;

Coordenar os SGA com outros sistemas.


BENEFÍCIOS
Atendimento às expectativas ambientais dos clientes;

Boas relações com a comunidade;

Atendimento aos critérios dos investidores e melhora do acesso ao capital;

Contratação de seguros a preços razoáveis;

Melhorar a imagem e aumentar a fatia do mercado;

Atender os critérios de aceitação de vendedores;

Capacitação para destinação de resíduos/geração de resíduos minimizado;

Controle de custos;

Limitar as responsabilidades legais;

Melhoria do processo / aumento da produtividade;

Conservação de materiais e energia;

Maior facilidade na escolha de locais para instalação e obter permissões;

Desenvolvimento e transferência de tecnologia;

Melhores relações com a indústria e o governo;

Melhor desempenho ambiental e consequente melhoria do meio ambiente.





A Certificação Ambiental tem como prioridade o bom atendimento, o seguimento correto dentro das Leis e o bom gerenciamento para que a empresa não deixe que suas substâncias nocivas prejudiquem o Meio Ambiente.
Demonstrar aos clientes, fornecedores e a própria sociedade que exerce suas atividades sem provocar danos ao 





A Política de Meio Ambiente, deve ser a declaração da organização das suas intenções e princípios com relação ao seu desempenho global e que devem nortear o planejamento de ações e o estabelecimento de seus objetivos e metas ambientais. Devendo ser um compromisso de todos e estar alinhada com as outras políticas da empresa, considerando a missão, visão, valores, essenciais e benéficos da organização.


NA ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DEVE-SE INCLUIR E/OU CONSIDERAR

Revisões periódicas;

Prever recursos humanos, tecnológicos, financeiros e materiais;

Cronogramas;

Monitoramento contínuo dos programas específicos.


Series ISO 14000
(Internacional Organization for Standardization)

14000 - Sistemas de Gestão Ambiental - Mapa Guia;

14001 - SGA - especificações para implantação e guia;

14004 - Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) - diretrizes gerais;

14010 - Guia para auditoria ambiental - diretrizes gerais;

14011-1 - Diretrizes para a auditoria ambiental e procedimentos para auditoria - parte 1: princípios gerais para auditoria dos SGA`s;

14011-2 - Diretrizes para a auditoria ambiental - parte 2: Auditoria dos SGA`s;

14011-3 - Diretrizes para a auditoria ambiental - parte 3: cumprimento das normas;

14012 - Diretrizes para auditoria ambiental - critérios de qualificação de auditores;

14014 - Diretrizes para a realização das revisões prévias (diagnósticos);

14015 - Diretrizes para análise ambiental do “sítio” onde se localiza o empreendimento;

14020 - Rotulagem ambiental - princípios básicos;

14020 - Rotulagem ambiental - termos e definições para aplicação específica;

14022 - Rotulagem ambiental - simbologia para os rótulos;

14023 - Rotulagem ambiental - testes e metodologias de verificação;

14031 - Avaliação da performance ambiental do sistema de gerenciamento;

14032 - Avaliação da performance ambiental dos sistemas de operação;

14040 - Análise do ciclo de vida - princípios gerais e prática;

14041 - Análise do ciclo de vida – inventário;

14042 - Análise do ciclo de vida - análise dos impactos;

14050 - Termos e definições;

14060 - Guia de inclusão dos aspectos ambientais nas normas de produto;

14070 - Diretrizes para o estabelecimento de impostos ambientais.



Manual de Resíduos SITIVESP


Manual de Gestão de Resíduos na Construção Civil 
SINDUSCON-SP

Manual de Gestão de Resíduos na Construção Civil 
SINDUSCON-PA


Manual de Gestão Ambiental SCHULZ


Manual de Boas Práticas Resíduos Sólidos

Manual de Gestão de Resíduos na Construção Civil 
SINDUSCON-CE

Plano de Gestão de Resíduos Sólidos


Manual Implantação Sistema Gestão Resíduos 
Construção Civil


Manual de Gestão Ambiental 
América Latina Logistíca - ALL

Manual de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Atuação Responsável ABIQUIM


NBR ISO 14001 – Sistemas de Gestão Ambiental – Especificação e diretrizes
Versão livre para treinamentos Versão 1996 (Versão Cancelada) Versão atual 2004




Meio Ambiente - Mudanças climáticas 
Jornal Nacional 35 anos

Se você acha que a poluição não afeta você. 
Pense de novo!

A revolta do oceano


De onde vem? Para onde vai? Garrafa d'água.

Estre - Lixo é só o começo

Nenhum comentário:

Postar um comentário