sábado, 2 de novembro de 2013

Gás Liquefeito de Petróleo - GLP

O Gás Liquefeito de Petróleo – GLP ou Gás LP, também conhecido como gás de cozinha, é um dos resultados do refino do Petróleo.  Ele é composto da mistura de gases hidrocarbonetos, principalmente Propano (C3H8) e Butano (C4H10), que apresentam grande aplicabilidade como combustível devido às suas características de alto poder calorífico, excelente qualidade de queima, fácil manuseio, baixo impacto ambiental, facilidade de armazenamento e transporte. Uma característica marcante do GLP é não possuir cor nem cheiro próprio. No entanto, por motivo de segurança, uma substância do grupo Mercaptan é adicionada ao GLP ainda nas refinarias. Ela produz o cheiro característico quando há um vazamento de gás. O GLP não é uma substância tóxica, porém se inalado em grande quantidade, produz efeito anestésico.



Para a armazenagem do GLP são utilizados recipientes de aço, de variadas capacidades volumétricas e formatos, abaixo temos alguns exemplos dos recipientes mais utilizados:


SUAS APLICAÇÕES

Uso residencial - Casas e condomínios
Uso comercial - Restaurantes, cozinhas industriais, padarias, supermercados, lavanderias, etc.
Uso Agrícola - Horticultura, avicultura e cultivo de grãos e sementes
Uso Industrial - Siderurgia, cerâmicas e fundições, indústria de papel e celulose, de vidro, automotiva e têxtil, entre outras.
Setor de serviços - Hóteis, móteis, clubes, academias, laboratórios e hospitais.




Um recipiente de gás deve conter em seu interior não mais que 85% do volume em líquido, portanto com 15% do volume na fase gasosa. Conforme o recipiente se esvazia o líquido vaporiza, abaixando a temperatura e consequentemente reduzindo a capacidade de vaporização.

O GLP só queima dentro de uma determinada faixa de concentração do ar, chamada de faixa de inflamabilidade, que é compreendida pelos limites inferiores e superiores de explosividade.

LIE = Limite Inferior de Explosividade

LSE = Limite Superior de Explosividade

Limite Superior: 9,5% (PROPANO); 8,4% (BUTANO)
Limite Inferior: 2,2% (PROPANO); 1,8% (BUTANO)

 -104,4 °C (PROPANO);-60 °C (BUTANO)


Todo reservatório de GLP contém uma quantidade mínima de válvulas e acessórios. Na figura abaixo podemos identificar as mais utilizadas:

  1. Válvula de consumo: Registro com válvula de corte por onde sai o vapor de Gás LP para o consumo. Alguns têm um dreno que indica o nível máximo de 85% de líquido. Este dreno é utilizado pelo operador no momento do abastecimento do tanque para certificar-se de que o tanque está cheio;
  1. Válvula de Segurança: Dispositivo de segurança que garante que a pressão interna do tanque não superará a pressão máxima de trabalho ao qual ele foi projetado. Em condições normais de uso esta válvula jamais se abrirá, porém em caso de algum incêndio junto a central de gás ela pode se abrir e purgar uma certa quantidade de gás. Esta purga automática pode até fazer com que se amplifique o incêndio, porém ela garante que o tanque sofra uma ruptura e a ruptura do tanque levaria a um dano muito maior e sem controle;
  1. Válvula de enchimento: Conexão utilizada pelo operador para acoplar a pistola de enchimento; 
  1. Medidor de nível de líquido: Também chamado por magnetron, tem a função de indicar a porcentagem de líquido contido no tanque em relação a sua capacidade. Por exemplo: se um tanque com capacidade de 500kg tem indicado 40% em seu magnetron, ele deve conter aproximadamente 200kg de GLP no estado líquido.
Ficha de Emergência

 FISPQ 



Principais Normas Aplicadas a Manipulação de GLP:

 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO – ANP ( RESOLUÇÃO ANP Nº 5, DE 26.2.2008 - DOU 27.2.2008) Adota a NBR 15514 (revoga Portaria nº 27 do DNC);
Resolução ANP Nº 35 - Adota a NBR 15186.
Resolução ANP Nº 05 - Adota a NBR 15514 (revoga Portaria nº 27 do DNC).
Portaria ANP Nº 47 – Estabelece a regulamentação para execução das atividades de projeto, construção e operação de transvazamento de sistemas de abastecimento de gás liquefeito de petróleo – GLP a granel.
NBR 5410 – Instalações elétricas de baixa tensão.
NBR 5419 - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas.
NBR 8613 - Mangueiras de PVC plastificado para instalações domésticas de gás liquefeito de petróleo.
NBR 13103 - Instalação de aparelhos a gás para uso residencial.
NBR 13419 - Mangueira de borracha para condução de gases GLP/GN/GNF.
NBR 13523 - Central predial de gás liquefeito de petróleo – GLP.
NBR 13714 - Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio.
NBR 14024 - Central de gás liquefeito de petróleo (GLP) - Sistema de abastecimento a granel – Procedimento operacional.
NBR 14095 - Transporte rodoviário de produtos perigosos - Área de estacionamento para veículos – Requisitos de Segurança.
NBR 14177 - Tubo flexível metálico para instalações de gás combustível de baixa pressão.
NBR 15186 - Base de armazenamento, envasamento e distribuição de GLP - Projeto e Construção.
 NBR 15526 - Redes de distribuição interna para gases combustíveis em instalações residenciais e comerciais - projeto e execução.
NR 13 Caldeiras e Vasos de Pressão
NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
 NFPA 58 Liquefied Petroleum Gas Code

Modelo de Curso de Integração NR 20
Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
Básico 4hs
(Esse slide é apenas uma base, complete com seu conhecimento e as características de sua unidade, não se esqueça de baixar os vídeos para incluir no treinamento. Bom treinamento!!)

Cartilhas/Manuais - SINDIGÁS










Manual de Segurança - SINDIGÁS

NFPA 58 Liquefied Petroleum Gas Code 
Edição 2004


Manual de Análise de Segurança
 contra Incêndio GLP
Baseado na NFPA 58 Liquefied Petroleum Gas Code - Edição 2004


Explosão GLP Centro do Rio de Janeiro

Explosão Depósito GLP

Explosão refinaria PEMEX
Reynosa (Tamaulipas/México) 18-set-2012
O incêndio na unidade de gás da Petróleos Mexicanos (Pemex) em Reynosa, 
no norte do México, matou 26 pessoas e deixou sete desaparecidos.

Explosão de Gás 

GLP FUNDACENTRO










Nenhum comentário:

Postar um comentário